quarta-feira, 26 de outubro de 2011

O que importa?

 
                    Encontrei com um colega de uma época meio distante. Hoje ele tá casado, já tem filhos e vive bem com a esposa. Típico final feliz, mesmo ainda não sendo o final, falta muito pro final da vida. Sim, é uma coisa boa. Mas algo nisso me dá um certo medo, sabe? O que eu vi foi uma pessoa que, apesar de ter um tesouro, apenas existindo e muito provavelmente sem consciência nenhuma da sua existência. Viver apenas por viver, ou sobreviver, melhor dizendo. Dia após dia. Contas a pagar, sustentar a casa, game over. Fim da linha. Talvez seja o maior dos meus medos, permanecer inerte enquanto o mundo continua a girar, oferecendo coisas maravilhosas para vermos, sentirmos, nos permitirmos... e talvez seja uma das maiores punições pro Homem deixar de estar em contato com isso.. deixar de se sentir parte importante de um todo e mesmo sendo parte do Uno, não se sentir como tal.


                    Não quero uma vida vazia, esperando ansiosamente que os dias terminem, sem nenhuma pretensão do que vem depois. Quero sempre mais! Além! Rumo ao infinito, tenho sede disso!

                    Se bem que depois, vendo-o chegar em casa e reparar no brilho dos seus olhos ao encontrar com os filhos, fiquei em dúvidas, se é realmente apenas uma existência vazia por trás daquilo. Talvez exista muito mais! Ainda não descobri...

5 comentários:

Etiene disse...

nem sempre somos capazes de enchergar a felicidade nas mesmas coisas. Todos temos maneiras diferentes de viver. Penso de certa maneira como vc, mais as vezes quando o amor nos bate a porta, o mundo passa a ser o que está na companhia do seu abraço.
Beijus amigo

 Victor Moraes disse...

Eu sempre penso e repenso o quanto eu faço diferença para o mundo... mas, ultimamente, tenho me contentado com a diferença que faço para as pessoas ao meu redor...
Ando meio que na filosofia "a gente tem que fazer a diferença um mundo de cada vez"... e, meu amigo Wall, você pode ter certeza que você faz a diferença para muitos mundos!

Abraço (grátis rs rs)

samanthamoragas disse...

É, amigo...é mesmo intrigante a questão. E ontem encontrei uma amiga que já está na minha vida há uns 13 anos. E hoje, aos 23 anos, está casada, grávida de quase 4 meses, trabalhando e fazendo Mestrado. Tb me perguntei em algum momento se as coisas não tinham acontecido muito rápido pra ela...se isso não a faria "perder" um pouco as coisas...se não tinha se precipitado, sabe? Mas então, enquanto eu pensava, ela respondeu ao questionamento de uma outra amiga nossa, que havia pensado o mesmo que eu: "E quem disse que eu to perdendo alguma coisa? VocÊ é feliz vivendo sozinha, saindo e pegando quem quiser quando bem entender...eu sou muito feliz e estou plenamente satisfeita em ter alguém do meu lado pra sempre AGORA. Cada um faz da vida o que achar melhor pra si." E percebi que é isso mesmo...desde que não machuquemos nem façamos mal aos outros, o que importa é ser feliz!

Te amo!!!

Van #FC disse...

Jo 8:32

Wall ? disse...

Tiiiiiiiiiiiiiii *-*

Tem toda a razão. Pontos de vista diferentes, de repente o que não me é suficiente é mais do que suficiente pra outro ser feliz. Tudo depende de quem e como é visto, né?

Moraes *---*

Fico muito feliz em saber que de alguma forma, eu ainda posso fazer diferença na vida das pessoas , mesmo que essa diferença não seja grande. Lançar as sementes e ser pelo menos um átomo de pessoas queridas já faz com que tudo valha a pena. Como comentei anteriormente, espero ser a diferença no mundo de muitas pessoas, assim como você é parte do meu e faz a diferença :)

É, Sam... muito intrigante. Ainda não tenho certeza de nada, mas é por aí: Cada um é feliz como pode, de forma diferente... o que é felicidade pra você, talvez não seja pra mim, e por aí vai, né?

E assinando embaixo sobre o que você disse: “Cada um faz da vida o que achar melhor pra si." E percebi que é isso mesmo...desde que não machuquemos nem façamos mal aos outros, o que importa é ser feliz!”

Amo você e ando com saudadonas, viu? Vem pra cá, vem pra cá! ^^


Van, concordo em partes com o que você disse... a verdade e o conhecimento são libertadores, porém o conceito de verdade é muito relativo. O que é verdade inquestionável pra você, de repente não seja pra mim... sendo assim, será que realmente é uma verdade total? Talvez a sua verdade. Será que já descobrimos o que é a verdade?

Postar um comentário